Planos de saúde esbarram em alta de custos após 20 anos

Solere Consumidor Online - Planos de saúde esbarram em alta de custos após 20 anos

Planos de saúde esbarram em alta de custos após 20 anos.

O âmbito do plano de saúde, se deparou com a alta dos custos, onde mais de 20% do povo utiliza esse tipo de serviço. Com o tempo os gastos com plano de saúde vêm consumindo uma grande parte dos gastos da família brasileira. Em nove anos as despesas representam um aumento de 3,9%, no Rio de janeiro chega a 5,5%, o aumente é superior a outros custos familiares como escola, aluguel entre outros. Os planos de saúde têm feitos seus ajustes de forma abusiva, com taxas maiores que a inflação.

Com o crescimento dos preços, os planos de saúde vêm perdendo clientes, a redução foi de três milhões nos últimos três anos. O setor pede que se desregulamente o setor, já os clientes clamam que tenha mais fiscalização e garantias de coberturas dos serviços.

Tramita em Comissão Especial da Câmara dos Deputados a discussão sobre a reforma da Lei nº 9.656 dos Planos de Saúde, que regulamenta os planos e seguros privados de assistência à saúde. As discussões abrangem 140 Projetos de Lei apresentados ao longo dos anos e tem por objetivo reunir uma proposta de reforma unificada. Esta lei entra em vigor noventa dias após a data da sua publicação.

O debate sobre a lei vem sendo assistido e levando diversas controvérsias, o projeto se preocupa com aspectos positivos no sentido de garantir uma maior humanização do atendimento e respeito a princípios bioéticos mundialmente reconhecidos.

O Parecer do projeto de melhora da Lei dos Planos de Saúde proporciona pelo Deputado Rogério Marinho (PSDB) acarreta determinados melhorias e beneficiam os usuários. O fato é que o projeto, visa realmente atender às pretensões das operadoras.

Os assuntos básicas, como reajustes de mensalidades para idosos, as restrições à aplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor no tocante à cobertura de exames, procedimentos, novas tecnologias não previstas no rol da ANS, bem como ao acesso a medicamentos são lamentáveis, de legalidade (e constitucionalidade) questionáveis e, sem dúvidas, ensejarão um potencial aumento da judicialização, pois não restará aos pacientes alternativa senão recorrerem à Justiça para resguardar seus direitos.

Caso você se sinta lesado de alguma forma, acesse a plataforma do advogado online para defesa do consumidor e saiba como defender seus direitos.

Compartilhar este post:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts relacionados

Abrir chat
1
Olá! Como podemos ajuda-lo?
Olá! Você necessita de alguma assistência jurídica? Nossos advogados estão prontos para te ajudar em questões envolvendo os seus direitos como consumidor.