Consumidores dizem ser sustentáveis, mas não mudam seus hábitos de consumo

Solere Consumidor Online - Consumidores dizem ser sustentáveis, mas não mudam seus hábitos de consumo

Consumidores dizem ser sustentáveis, mas não mudam seus hábitos de consumo.

Quando pergunta para uma pessoa se ela deseja ser sustentável, contribuir com o planeta, lógico que todos respondem que sim. Mas você realmente está fazendo algo para mudar.

Possuir uma vida saudável é o que almeja todas as pessoas, ter alimentos sem agrotóxicos, uma água limpa, reciclar o lixo que produz diminuindo seu impacto ecológico. Um novo estilo de vida que tem sido cada vez mais adotado pelas pessoas, tudo isso é muito bonito na teoria, mas já parou para pensar se você está fazendo isso?

Uma pesquisa chamada “Panorama do Consumo Consciente no Brasil”, que o Instituto Akatu lança em São Paulo. Foram entrevistadas 1.090 pessoas com mais de 16 anos, de todas as classes sociais e de 12 capitais ou regiões metropolitanas, entre 9 de março e 2 de abril deste ano.

A pesquisa procurou saber o ranking de dez preferências do consumidor, para isso, foi oferecido algumas opções de condutas aos entrevistados, eles deveriam optar determinados comportamentos, o que queriam e o que não queriam. O anseio consumista que aparece com mais evidência é o de possuir carro próprio, predominante nas classes C, D e E (renda média de R$ 708.19 a R$ 2.965,69).

A pesquisa ainda identifica aumento do número de pessoas que já incorporam mais de cinco práticas sustentáveis no seu dia a dia, os chamados iniciantes em consumo sustentável: em 2021, eram 32% dos entrevistados, e, agora, são 38%.

A pesquisa divide os perfis ecológicos em quatro modalidades: indiferente, iniciante, engajado e consciente. 13 comportamentos servem de base. Considera-se indiferente o consumidor que pratica de zero a quatro, iniciante o que pratica de 5 a 7, engajado, de 8 a 10, e conscientes, de 11 a 13.

O maior nível de consciência tem viés de idade, qualificação social e educacional: 24% dos mais conscientes têm mais de 65 anos, 52% são das classes A e B (renda entre R$ 5,4 mil e R$ 23,3 mil) e 40% possuem ensino superior.

“A pesquisa mostra que há desejo de ser mais sustentável, mas que ele não se realiza a contento”, diz Helio Mattar, diretor-presidente do Akatu. “Cabe às empresas diminuir as barreiras e entre os iniciantes está a grande oportunidade de recrutamento para ampliar as práticas do consumo consciente“, afirma.

Também são apontados na pesquisa barreiras e gatilhos para o consumo de produtos sustentáveis. Entre as barreiras, estão: esforço, espaço, privação de prazeres e desconfiança. Esforço é barreira para 60% dos entrevistados e o maior de todos os esforços é o preço, para 25%.

“A ideia de que ser sustentável é mais caro decorre da fama antiga dos alimentos orgânicos”, diz Helio Mattar, diretor-presidente do Akatu. “Embora hoje a oferta seja maior e os preços, mais baixos, persiste esse mito, que se espalha para as outras práticas”.

Caso você se sinta lesado de alguma forma, acesse a plataforma do advogado online para defesa do consumidor e saiba como defender seus direitos.

Compartilhar este post:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts relacionados

Abrir chat
1
Olá! Como podemos ajuda-lo?
Olá! Você necessita de alguma assistência jurídica? Nossos advogados estão prontos para te ajudar em questões envolvendo os seus direitos como consumidor.